domingo, 15 de dezembro de 2013

The Burning Moon (Alemanha, 1997)

Filme: The Burning Moon / Lua Sangrenta
Diretor: Olaf Ittenbach
Ano: 1997
País: Alemanha
Duração: 99 minutos
Elenco: Beate Neumeyer, Bernd Muggenthaler, Ellen Fischer, Olaf Ittenbach
IMDb: 4,7

The Burning Moon (Lua Sangrenta, no Brasil) é um filme composto por três segmentos. O principal, que liga os outros dois conta a história de um jovem metido a rebelde que não se dá muito bem com a família (interpretado por Olaf Ittenbach). Após participar de uma violenta briga de gangues, ele precisa tomar conta da irmã menor enquanto os pais não estão em casa. 


Após se drogar ele vai ao quarto da irmã para contar umas histórias um pouco impróprias para crianças. A primeira história é Amor de Júlia. Neste conto, um assassino, após ter a medicação suspensa, escapa da clínica psiquiátrica matando todos que cruzam seu caminho. Ele logo conhece Julia e marca um encontro com ela. Mas ela descobre que ele é o assassino foragido e escapa enquanto ele a deixa sozinha no carro. Porém, a tonta esquece a carteira no carro e naturalmente ele vai à casa dela. Sem cerimônias ele vai matando os familiares de Júlia, cortando braços e os degolando, promovendo uma grande carnificina no  recinto, com direito a um facão atravessando a cabeça do pai, a cabeça da mãe sendo serrada, um corpo incinerado e a ingestão de um olho, descendo pelo cano da garganta. Tudo isso para compensar a história rasa, cujo final é bobo e ela naturalmente consegue se safar.



A segunda história é A Pureza, onde um padre tem o hábito de estuprar e matar pessoas, realizando seus rituais satânicos purificadores enquanto os crimes são atribuídos a Justuz, um inocente trabalhador. Os homens da região pagam um assassino para matar Justuz e ele realiza o trabalho brutalmente. À noite, Justuz volta a vida para trazer o horror do inferno ao seu assassino. Esta longa sequencia final já vale o filme todo. O inferno é retratado como um lugar onde pessoas mutiladas e repugnantes torturam e matam umas às outras. Em meio aos gritos de sofrimento vemos tripas expostas sendo devoradas, corpos mutilados, partidos ao meio e cabeças esmagadas. É neste ambiente que o assassino é brutalmente torturado, tendo o olho arrancado por uma furadeira manual, a barriga aberta e os órgãos retirados e, por fim, é acorrentado pelos pés e esticado até que os membros sejam violentamente rasgados do corpo. 



Esta bela sequência final fará a alegria dos apreciadores de efeitos gore práticos, criativos, mas muito funcionais. Imagino que boa parte do reduzido orçamento deve ter sido gasta neste final épico.

Para terminar o filme, após contar esta bela história para a irmãzinha, ele tem a certeza de que ela irá dormir por um bom tempo em um desfecho que não tem nada politicamente correto.


Burning Moon é mais uma pérola do cinema extremo/trash/gore alemão, produzida em 1997, mesmo ano de Premutos, a outra obra de Olaf Ittenbach. As atuações são "primorosas", vários dos atores participam dos diferentes segmentos, e o roteiro não é o ponto forte. Mas esta tosquice dá um charme a mais e só aumenta a diversão banhada por litros e mais litros de sangue falso, tripas e esquartejamentos. Uma ótima inspiração para quem quer fazer filmes sangrentos e baratos.

2 comentários:

  1. Tenho que encontrar essa perola, somente pela capa podemos notar que la vem bomba kkkkkk !!!!

    Filmelixo

    ResponderExcluir
  2. Ahaha! Recomendo principalmente pelo final sanguinolento.
    Dá pra baixar aqui: http://possuidoporfilmes.blogspot.com.br/2013/03/the-burning-moon-1992-legendado.html
    Valeu!

    ResponderExcluir